Foto de Mari Monteiro

#CRP02Promove #Envelhecimento
O Conselho Regional de Psicologia – 2° Região (CRP-02) promove, em parceria com a Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP), o *III Mais psicologia para um país que envelhece – diversidades e interdisciplinaridades.* O evento, que acontecerá *próximo dia 01 de outubro, a partir das 14h, no Bloco G – Auditório G1, 1° andar da Universidade Católica de Pernambuco* (R. do Príncipe, 526 – Boa Vista, Recife – PE, 50050-900), visa à preservação da saúde física, mental e a proteção daquelas/es que possuem 60 anos ou mais.
*Mais informações e inscrições no link:* https://goo.gl/csYo1D .

Narcisismo

Hoje, não basta ir a um bom restaurante. Há uma necessidade de expor o jantar. Expor sua roupa, sua figura naquele lugar. É o olhar de aprovação alheio que dirá se aquilo tem valor, pelo número de curtidas . Somos todos narcisistas e hoje, os espelhos são as redes sociais. É preciso compreender, no entanto, que o narcisismo não é apenas sinônimo de vaidade. Ele é o desespero para corresponder ao desejo do outro e assim, ser reconhecido. No espelho.

As 4 leis do desapego para a liberação emocional

É possível que a palavra desapego lhe cause uma sensação de frieza e egoísmo. Nada está mais longe da realidade. A palavra desapego, compreendida dentro do contexto do crescimento pessoal, é um valor interno precioso que todos nós devemos aprender a desenvolver.

Praticar o desapego não significa abrir mão de tudo o que é importante para nós, rompendo vínculos afetivos ou relacionamentos pessoais com aqueles que fazem parte do nosso cotidiano.desapego

“Desapego significa saber amar, apreciar e se envolver nos relacionamentos com uma visão mais equilibrada e saudável, libertando-se dos excessos que o prendem”.

Liberação emocional é viver mais honestamente, de acordo com as suas necessidades. Crescer, progredir com conhecimento de causa, sem prejudicar ninguém e não deixando ninguém o limitar.

Conheça abaixo as 4 leis do desapego para a liberação emocional. Vamos praticar?

A Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla acontece todos os anos durante o período de 21 a 28 de agosto.

OUTDOOR-SEMANA NACIONAL 2018

TEXTO NORTEADOR

“Família e pessoa com deficiência, protagonistas na implementação das políticas públicas.”

Fabiana Maria das Graças Soares de Oliveira

Ivone  Maggioni Fiore

José Turozi

A primeira Apae no Brasil resultou do protagonismo das famílias das pessoas com deficiência intelectual e múltipla, devido a ausência de Políticas Públicas, para esses cidadãos, em nosso País. Em decorrência, hoje, em 2.178 Apaes, mais de 350.000 famílias encontram-se atendidas na Rede Apae, um Movimento que cresceu, ficou adulto e está iniciando a terceira idade aos 63 anos de existência. Em toda a sua caminhada histórica, inúmeras bandeiras foram levantadas, muitas derrotas e muitas conquistas vêm acontecendo.

https://apaebrasil.org.br/page/semana-nacional-da-pessoa-com-deficiencia-intelectual-e-multipla-2018

Síndrome de Deficiência da Recompensa.

CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS DA SÍNDROME DE DEFICIÊNCIA DA RECOMPENSA

A SDR compreende, além de um estado de constante ansiedade, as vezes acompanhado de depressão, uma ampla gama de distúrbios compulsivos e impulsivos :

COMPULSIVOS

1 – Uso e abuso de substâncias químicas que parecem induzir ao aumento da liberação de dopamina para o sistema límbico : álcool, cocaína, cafeína, nicotina (tabagismo inveterado) e carbohidratos(obesidade).

2 – Prática obsessiva de jogos de azar.

Os pesquisadores do assunto admitem que o risco e a expectativa envolvidos nessa prática geram, nos obcecados, um estado de euforia comparável àquele sentido por um viciado após a inalação de cocaína 

IMPULSIVOS

1 – Hiperatividade

2 – “Deficit” da atenção

(Observado principalmente entre meninos)

3 – Síndrome de Tourettte

(Uma condição caracterizada por múltiplos tics musculares incontroláveis, emissão de ruídos incompreensíveis e forte propensão para proferir insultos e palavras de baixo calão).

Não existe, pelo menos até o momento, qualquer evidência de que os distúrbios impulsivos sejam causados por deficiência de dopamina no sistema límbico.