Somnifobia

Causas da somnifobia

Somnifobia está relacionada a uma série de outras fobias, como medo de sonambulismo, medo da escuridão (escotofobia) o medo de pesadelos ou medo de morrer no sono (Tanatofobia). Andar dormindo é uma das típicas causas do medo de dormir. Maioria dos sonâmbulos faz algo benigno nesse estado, mas eles estão com tanto medo que isso ocorra, que ficam com medo de ir dormir.

A morte também é conhecida como o ‘grande sono’. Somnifóbicos se sentem muito vulneráveis enquanto dormem e acreditam que a morte e dormir são condições perturbadoramente semelhantes que os deixam completamente fora de controle. Edith Piaf, famosa cantora francesa disse: “Eu temo o sono, pois é uma forma de morte”. Algumas pessoas tendem a falar em seu sono e temem revelar coisas importantes ou estar fora de controle sobre o que elas estão dizendo.

A paralisia do sono é outra causa de somnifobia. Este é o estado quando uma pessoa, ao acordar, experimenta a paralisia muscular. Isso pode acontecer várias vezes, o que leva ao medo de dormir. Isso é bem normal, digo por experiência própria, mas o medo de dormir de novo depois de ter paralisia do sono tende a passar em um ou poucos dias. Caso não passe (ou a paralisia do sono seja recorrente), é possível desenvolver a fobia do sono.

Pessoas com transtornos de ansiedade muitas vezes têm dificuldade para adormecer. Quando o fazem, seu sono pode ser atormentado com pesadelos. Muitas vezes elas acordam no meio da noite e não podem sequer se lembrar dos seus sonhos ruins. Acham difícil voltar a dormir. Tais pesadelos e o pânico do sono tornam-se um círculo vicioso: a privação de sono leva a uma maior ansiedade do medo de dormir de novo.

Filmes de terror, por vezes, podem desencadear somnifobia. Alguns folclores e culturas também falam de bicho papão, monstros debaixo da cama ou no guarda-roupas, bruxas e demônios que atacam durante o sono.

A incidência direta / indireta negativa ou traumática ea morte de um ente querido também podem causar somnifobia.
Fonte: psicoativo.comcymera_20190127_085615

03 habilidades que vão transformar seu 2019 um marco.

24 dias que 2019 começou e eu quero te ajudar a fazer deste, o melhor ano da sua vida! 🔝
⠀⠀⠀⠀
E sabe o que você precisa fazer para que isso seja possível? Responda a seguinte pergunta: qual é o seu valor para o mundo? ❓
⠀⠀⠀⠀
Sim, exatamente essa pergunta! O que você tem de mais extraordinário a oferecer para as pessoas a sua volta e fazer do mundo, o melhor lugar para se viver? 🤔
⠀⠀⠀⠀
Acredite, a partir do momento que você ter plena certeza dessa pergunta, você será capaz de tornar não apenas o seu ano um marco, como toda a sua vida. 😱
⠀⠀⠀⠀
Para te ajudar nesta reflexão, te convido a pensar em 3⃣ habilidades extraordinárias que você possui. Aquelas 3 características que você tem certeza que, se bem utilizadas, podem fazer toda a diferença para o planeta.

Instituto Brasileiro de Coaching.

As 4 leis do desapego para a liberação emocional

É possível que a palavra desapego lhe cause uma sensação de frieza e egoísmo. Nada está mais longe da realidade. A palavra desapego, compreendida dentro do contexto do crescimento pessoal, é um valor interno precioso que todos nós devemos aprender a desenvolver.

Praticar o desapego não significa abrir mão de tudo o que é importante para nós, rompendo vínculos afetivos ou relacionamentos pessoais com aqueles que fazem parte do nosso cotidiano.desapego

“Desapego significa saber amar, apreciar e se envolver nos relacionamentos com uma visão mais equilibrada e saudável, libertando-se dos excessos que o prendem”.

Liberação emocional é viver mais honestamente, de acordo com as suas necessidades. Crescer, progredir com conhecimento de causa, sem prejudicar ninguém e não deixando ninguém o limitar.

Conheça abaixo as 4 leis do desapego para a liberação emocional. Vamos praticar?

A Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla acontece todos os anos durante o período de 21 a 28 de agosto.

OUTDOOR-SEMANA NACIONAL 2018

TEXTO NORTEADOR

“Família e pessoa com deficiência, protagonistas na implementação das políticas públicas.”

Fabiana Maria das Graças Soares de Oliveira

Ivone  Maggioni Fiore

José Turozi

A primeira Apae no Brasil resultou do protagonismo das famílias das pessoas com deficiência intelectual e múltipla, devido a ausência de Políticas Públicas, para esses cidadãos, em nosso País. Em decorrência, hoje, em 2.178 Apaes, mais de 350.000 famílias encontram-se atendidas na Rede Apae, um Movimento que cresceu, ficou adulto e está iniciando a terceira idade aos 63 anos de existência. Em toda a sua caminhada histórica, inúmeras bandeiras foram levantadas, muitas derrotas e muitas conquistas vêm acontecendo.

https://apaebrasil.org.br/page/semana-nacional-da-pessoa-com-deficiencia-intelectual-e-multipla-2018